terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Hóspede ou novo membro da família?

"Oi! Eu sou a Zara, Zara Piq Piq.
Devo ter nascido numa vila de Porto Alegre, pois foi lá que me jogaram por cima do muro de uma casa. Na verdade, era um terreno com bastante árvores e caí num amontoado de galhos, onde passei a noite, sozinha.
Quando amanheceu, apareceu uma simpática senhora, que  me trouxe um prato de comida e me tirou do meio dos galhos. Eu estava muito assustada porque haviam outros cães lá. Nenhum me fez mal, mas foi a pior noite da minha pequena vida, que tenho lembrança.
Esta senhora me deu banho e uma caminha num lugar seguro e limpinho, também me deu comida várias vezes num único dia! E me deu um nome: Zara.
Ela foi a minha salvadora e primeira dinda, a tia Lena.
Eu fiz amizade com uma cadela enorme e preta que tinha lá, a Clarinha. A gente brincava muito!
Fiquei sabendo que eu ia para Florianópolis, para a casa de uma das filhas da tia Lena, mas eu adoeci, fiquei muito mal e acabei indo para a casa da outra filha dela, em Maquiné.
Fui colocada numa casa com um monte de gatos, pois tinham medo que a minha doença fosse transmitida para um monte de outros cães que moravam lá.
Fiquei dias sem comer, mas a minha nova dinda me forçava a engolir coisas, goela abaixo, o tempo todo. Às vezes eu colocava tudo pra fora de novo e a dinda ficava triste e pediu ajuda para outros dindos, a tia Mara e o tio Martim, que conseguiram a medicação que eu precisava, lá em Porto Alegre, e mandaram para Maquiné pelos tios Guilherme e Stella! Um monte de gente me ajudando!
Eu achava que essa gente de duas pernas era tudo ruim, como aquele, que me fez voar por cima do muro, mas parece, que me enganei.
Eu comecei a tomar este remedinho no sábado e no domingo, comecei a melhorar e até saí do gatil e deitei na sombra com a dinda, o dindo e os outros cães.
Eu emagreci muito e fiquei muito fraquinha!
Mas daquele dia em diante, fui melhorando a cada dia.
Aí, a dinda deixou eu ficar dentro de casa durante o dia, porque era mais fácil para dar a minha medicação e alimentação, que era um pouquinho, várias vezes no dia. 
Na primeira noite, eu dormi no gatil ainda, mas aí, aquele dindo alemão me colocou no sofá e na hora que a dinda ia me levar para dormir no gatil, o dindo falou "tadinha!", e eu dormi dentro de casa naquela noite!
E na noite seguinte também!
 E na outra noite, eu assisti um filme no sofá com direito a pipoca!
E no outro dia eu ganhei um presente do dindo alemão.
E assim, eu fui melhorando!
Eu sei que o remédio que veio de Porto Alegre me ajudou a melhorar, mas, o que realmente me curou, foi outro remédio.
Foi um remedinho chamado amor!
Olha como eu estou bem, brincando com o tio Costelinha.
Tão bem, que já andei aprontando...
Aprontando ou não, já carimbei meu passaporte como novo membro da família. De hóspede, passei para membro da família!
A ex-tia Lena virou minha vó e já veio me visitar duas vezes. O tio Costelinha vai ser meu mano, como os outros 16 cães e 6 gatos da casa e eu tô adorando tudo isso!
Percebi que nem todo mundo que tem duas pernas é ruim! Já conheci um monte de gente legal e outros, que nem conheço, também! Muito obrigada a todos eles, que me ajudaram!
Ah, meu nome é Zara Piq Piq, de Piquininha! É, eu era pequena e o dindo me chamava de Pequena. A dinda, que é muito preguiçosa, até para falar, abreviou para Piq e assim, ficou, Zara Piq Piq, a caçula do Recanto!"

9 comentários:

  1. E a Bruxa chorando aqui... que bom que sua linda história teve um final feliz. A fotinho com a pança pra cima me fez sorrir, então essas lágrimas são de alegria por saber que sempre existem seres de "duas patas" capazes de fazer o bem. Que vc viva muito e com muita saúde coisa fofa!

    Faz quanto tempo que ela chegou, Tiane? É uma linda e que Deus os abençoe por abrir sempre o coração para esses fofos. Meus lambeijos pra ela e toda a tropinha.

    Bom... temos mais um ponto em comum pq quando eu li o livro Marley, me debulhei em lágrimas e até hoje não assisti ao filme pq não aguentaria. O K9 lembro!!! Assisti e quando ele levou o tiro quase desisti pq era moleca e não suportava ver esses fofos sendo machucados, mas no final tudo fica bem. Na verdade, não suporto ver filme nenhum de violência e no domingo, assistindo O Conde de Monte Cristo, tem uma cena que o cara volta montado no cavalo e com a espada na mão pra matar o outro e eu "ai! O cavalinho não, o cavalinho não!" rsrs. E o cavalo não foi ferido rsrs. Achei engraçado vc falar pq sou igual.
    Quanto ao História sem Fim, pode assistir. Bom... sendo como eu, vai chorar em algumas cenas, mas te garanto que tudo fica bem! Assiste e me conta!

    Abração esmagador e linda tarde.
    Aqui o ar já cheira Outono que amo! Está quente, mas chove todos os dia e o ventinho vem anunciando meu amado Outono...

    ResponderExcluir
  2. Tiane,
    Olha eu adorei a história dessa Piq piq, tão linda. Deixa essa moça aí, já faz parte da família.Olha na placa tá ecrito Societá della Caccia.Eu achei que era um "trem bunito" demais que devia estar escrito, mas "se-picionei". Fui ver no tradutor, por que o meu italiano é do Terra Nostra,e é "sociedade de caça"...fuén...Nada a ver com a decor.Só se o dono for caçador.Mas não vi nenhum bicho morto pelas paredes,a tal taxidermia( que odeio), nem nenhuma cartucheira...rsrs...
    Besitos e tenha um bom restinho de semana

    ResponderExcluir
  3. História que enche os olhos de lágrimas. Como pode existir gente da ruim com animais. Mas ao mesmo tempo existem mais pessoas maravilhosas, caridosas, amorosas ... Que lindo final para a Zara Piq. Está linda e feliz.
    blogjoturquezzamundial
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Oie Tiane!
    Faz um tempo ja venho aqui mas sempre esqueço de te seguir! agora ja te adicionei!
    Ah amiga eu adoro seus cachorros, são fofos! eu tenho 6 cachorros e amo!
    agora vou vir mais aqui!
    Quando puder me visita!
    beijão
    Pri

    ResponderExcluir
  5. Owhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh, apaixonei pela Zara e ainda mais pela dinda que é uma linda de coração do tamanho do mundo !!! Que história mais fofinha, sabe história pra contar pra criança ? Você deveria escrever um livro com esses "contos" !!!
    Rrsrsrs, sou como vc, preguiçosa para nomes e abrevio tudo, rsrsrrrs

    Bjus 1000 sua lindaaaaaaaaaaaaaaa !!!

    ResponderExcluir
  6. É Tiane, meus olhos marejados...
    Não sei explicar, mas, a dor dos animais é uma dor física em mim, fico tão decepcionada e ferida de morte de saber que existem seres da minha espécie, que são tão cruéis.
    Eu sinceramente não consigo entender como alguém consegue, maltratar e ferir criaturas que só sabem amar, não fazem nada além de nos acalmar, nos fazer sorrir, nos amar!
    Graças à Deus a Zarinha encontrou outros seres humanos de verdade, que a ajudaram e a adotaram para ter uma vida feliz e digna, com muitoooooo amor, pois é só tudo isso o que ela merece: ser amada!

    Que Deus a abençoe!

    Beijos,
    Andreza Silva Souza

    ResponderExcluir
  7. Parabéns, Tiane.
    Moro em apto e não posso ter muitos bichos.
    Ainda assim, enho 3 gatas e uma poodle.
    Mas ajudo sempre. 25 kg de ração para minha costureira, castração de cães e gatos.
    Não consigo entender como se faz maldade com animais.

    ResponderExcluir
  8. Ohhhh Tiane que historia tão linda e amorosa, tomara que todos os cachorrinhos tiveram um fim assim de amoroso. Eu sofro tanto de ver cachorrinhos desamparados...

    ResponderExcluir

Responderei aos comentários aqui mesmo ou se preferir, deixe seu e-mail para que eu possa entrar em contato. Obrigada pela visita e pelo comentário!