domingo, 25 de setembro de 2016

A fada do Rabito. Fada???

 Na estradinha de acesso ao Recanto, tem uma casa onde moravam um casal de idosos e sua bicharada, cães, gatos, vacas e sei lá o que mais. Desde que adquirimos o Recanto, em 2011, eu gostava de passar na frente da casa deles e vê-los sentados num banco, na área da frente da casa, tomando chima  com a bicharada em volta. Um dos cães era o Rabito, que ficava solto como os outros mas, de uma hora para outra, o prenderam num "vai e vem"."Vai e vem" é como chamam quando o pobre do cachorro fica preso numa corrente que vai e vem, presa a um arame, o que é muito comum de ver por aqui.
Curiosa que sou, perguntei por quê o prenderam e responderam que era porque o Rabito ia lááá num vizinho, matar as galinhas dele. Ainda me contaram como o Rabito apareceu por lá. Na verdade, foi o seu Léo quem contou, todo orgulhoso da esposa! Disse que o outro vizinho havia pedido ajuda da dona Lúcia para matar um cachorro, que apareceu no porão da casa dele e estava todo machucado, cheirando a podre (desculpem o termo, mas é bem isso!) e agonizando. Seu Léo contou que a dona Lúcia foi lá e voltou em seguida, para pegar o carrinho de mão, para buscar o cachorro, pois ele havia olhado para ela, que não teve coragem de matar, achou que tinha salvação e resolveu trazê-lo para casa para tentar curar e assim, o Rabito que, provavelmente havia sido atropelado e estava muito machucado e bichado, ficou bom com os cuidados da dona Lúcia.
 Tudo ia bem, até o Rabito começar a matar as galinhas do vizinho e ir para a corrente. E aí, infelizmente, o seu Léo faleceu, no começo do ano, a dona Lúcia foi morar com a filha e só ficou o Rabito na corrente, sob os cuidados do vizinho mas, ainda preso e na maior parte do tempo, sozinho. 
Volta e meia, quando passávamos ali, Leonardo parava o carro ou a bicicleta, e tentava fazer amizade com o Rabito, que se encolhia e rosnava, não demonstrando muita vontade de fazer novos amigos. Foram várias tentativas, até o dia em que, almoçamos fora e, como de costume, recolhemos os ossinhos do prato do Leonardo, para dar para algum cusco na rua. Estávamos de bicicleta aquele dia e no caminho, comentei com o Leonardo para oferecer para o Rabito.
Quando paramos as bicis, o  Rabito se encolheu e começou a rosnar, como sempre, mas quando sentiu o cheirinho da carne, baixou a guarda. Deu certo! 
 E passamos a levar sempre, uma comidinha para o Rabito, que na segunda vez que paramos, já nos recebeu com o rabinho abanando e as orelhinhas abaixadas e mais, conhece o barulho do nosso carro! 
Na verdade, o "cuidador" dele é o Leonardo, eu fico só olhando. Leonardo é quem dá a comida, troca a água e arruma a cama do Rabito, que parece o nosso Catatau.
Um dia desses, o Leonardo chegou em casa xixiado! Ele estava voltando do plantão e parou para dar umas carninhas que trouxe do restaurante. Disse que o Rabito deitou de barriga para cima e se xixiou de emoção! O jato de xixi pegou nas pernas da calça do Leonardo. :) Agora, sempre tomamos o cuidado, de ficar longe do jato, pois a emoção do Rabito é inevitável!
 Percebemos que a casinha dele está bem ruim e uma noite dessas, chovia e o Rabito estava enroscadinho no comecinho do galpão, até onde a corrente alcançava, que não era muito. Se viesse um ventinho de nada, ele se molharia. Pegamos uma casinha pouco usada pelos nossos e levamos para ele. 
A dona Lúcia e o filho, que aparece mais seguido, sabem que a gente costuma dar comida para ele e também avisamos o vizinho sobre a casinha.  
Dá gosto de ver a alegria do Rabito quando vê o Leonardo, que deve ser a fada madrinha dele! :) Fico imaginando o Rabito sonhando com a fada Leonardo,  chegando com ossinhos suculentos para ele. Esta semana ainda, tiramos a prova de que ele conhece o barulho do nosso carro, pois havia um outro carro, bem na frente do nosso e ele só levantou a cabeça, com as orelhas abaixadas, quando avistou o nosso carro. E ainda dizem que eles não são inteligentes! Esses humanos não sabem de nada!
Querido do Rabito! Por enquanto, é só o que podemos fazer por ele mas, melhor do que nada, né?!

7 comentários:

  1. Aiiiii Tiane, lendo a história achei que o final seria outro, rsrsrs
    Imaginei você levando pra sua casa!!!

    Abraços Mari

    ResponderExcluir
  2. Ai Tiane da um aperto né , mas o tiquinho que vcs fazem já é um monte de amor pro Rabito fico aqui desejando que essa historia se desenrole. Um beijo da Eliane.

    ResponderExcluir
  3. Tiane, nem diga, a gente não consegue abraçar o mundo com as pernas e bem que gostaria...Dá um nó no coração da gente, mas o que compensa é pensar que o pouco que se faz já é um bálsamos para nossos IRMÃOS animais.

    ResponderExcluir
  4. Tiane,
    Lindo post,imagino a felicidade do Rabito,pela comida e pela atenção.Deve sentir falta dos donos.Imagino que vocês ainda não levaram ele prá casa,é por que é o cão de guarda da D.Lúcia.
    Sei que vontade não falta,né?
    Besitos e tenha uma semana abençoada

    ResponderExcluir
  5. A gente também adora os animais! Eles são sensacionais!! Abs!

    ResponderExcluir
  6. Emociono-me sempre com as vossas histórias! Caramba... Fadinhas mais lindas, vocês! :)

    ResponderExcluir

Responderei aos comentários aqui mesmo ou se preferir, deixe seu e-mail para que eu possa entrar em contato. Obrigada pela visita e pelo comentário!