segunda-feira, 13 de julho de 2009

Primeira vez sozinha num caiaque - 5 de julho (atualizando texto em breve)

Mais um final de semana envolvida com caiaques. Desta vez, não em um caiaque duplo, nem fazendo apoio por terra. Pela primeira vez, andei sozinha. Leonardo e Germano haviam combinado andar no domingo, e essa era a desculpa que eu precisava para pedir um caiaque para o meu "professor" André, e viver essa experiência pela primeira vez.
O encontro foi no GPA, onde o pessoal se encontra todos os domingos, bem cedinho, para tomar café na ilha. Amanheceu mais um domingo frio, o que aumentava meu medo. Já pensou, cair na água com essa friáca? A ideia de cair nas águas do pobre Guaíba, já não me agrada muito, com frio então, que pavor!
Mas minha vontade de estreiar num caiaque solo foi maior que o medo e eu entrei na água, ou melhor, no caiaque.
Esperei que todos partissem para entrar no caiaque, pois não queria proporcionar alegria para ninguém, não as custas da minha queda, pelo menos.


Foto: Leonardo Esch

Foto: Germano Greis

Foto: Germano Greis

Foto: Germano Greis

Foto: Gustavo Geyer

Foto: Gustavo Geyer
Foto: Gustavo Geyer

Foto: Gustavo Geyer

O meu figurino tava de última! Foto: Gustavo Geyer

Foto: Germano Greis
Foto: Germano Greiss

Foto:Leonardo Esch
Foto: Leonardo Esch

Foto: Leonardo Esch
Foto: Gustavo Geyer

Foto: Leonardo Esch

Foto:Leonardo Esch

Um comentário:

  1. Oi Tiane, o Morro Dois Irmãos, aqui no Rio de Janeiro, fica pertinho do bairro da Gávea, onde moro. É muito bonito e se vê dos bairros, do Leblon e Ipanema. O Chico Buarque fez uma música inspirada nele, e se você pesquisar no google chegará lá. Vale a pena conhecê-lo. É um belo visual!!!

    Morro Dois Irmãos
    Chico Buarque

    Dois Irmãos, quando vai alta a madrugada
    E a teus pés vão-se encostar os intrumentos
    Aprendi a respeitar tua prumada
    E desconfiar do teu silêncio

    Penso ouvir a pulsação atravessada
    Do que foi e o que será noutra existência
    É assim como se a rocha dilatada
    Fosse uma concentração de tempos

    É assim como se o ritmo do nada
    Fosse, sim, todos os ritmos por dentro
    Ou, então, como um música parada
    Sobre um montanha em movimento

    Beijos

    ResponderExcluir

Responderei aos comentários aqui mesmo ou se preferir, deixe seu e-mail para que eu possa entrar em contato. Obrigada pela visita e pelo comentário!