quinta-feira, 6 de maio de 2010

Caiacada Lagoa do Casamento - Canal do Furado (2 de maio)

Meu segundo contato com a Lagoa do Casamento foi programado para começar bem cedo. Leonardo combinou às 8h30 com o Germano, no camping da Pimenta. Saímos cedinho de casa, mas o pneu do carro furou antes da Varzinha. Ainda bem que o Germano também atrasou, assim não ficou esperando tanto. Com todo o entrevero, entramos nas águas da lagoa do Casamento pelas 10h, mais tarde do que gostaríamos.

Eu e Germano voltando, depois de deixarmos os carros na sede do camping.
Foto do Leonardo

Ainda não tínhamos um roteiro certo então, Leonardo e Germano sugeriram que fossemos até o canal do Furado entrando pela Lagoa do Casamento e saindo pela Lagoa dos Patos. Foi o que fizemos, remamos aproximadamente 11 Km em linha reta, da saída do camping até a entrada do canal, na ilha do Furado.

Do lado esquerdo, Leonardo.
À frente, nosso destino: a ilha do Furado e o canal de mesmo nome.
Foto do Leonardo



À direita, Germano e um barco pesqueiro.


"As regiões da Lagoa do Cerro, da Lagoa do Casamento e seus ecossistemas associados, situam-se na Planície Costeira do Rio Grande do Sul. Ambas reúnem um complexo de remanescentes naturais com representação de diferentes tipos de ecossistemas típicos da zona costeira: as dunas lagunares interiores, os campos litorâneos, lagoas, banhados (brejos, alagados e várzeas de diferentes tipos), as matas de restinga, as matas paludosas e os palmares de butiá (Butia capitata) ou butiazais. O fator principal de pressão antrópica sobre as áreas naturais remanescentes nessas áreas provém da agropecuária, especialmente pela presença de monoculturas extensivas que implicaram na perda de hábitats de banhados e matas de restinga." Fonte: http://www.biodiversidade.rs.gov.br/portal/index.php?acao=projetos_relacionados&id=3

Foto do Leonardo


Pesquisando sobre a lagoa do Casamento, observei que a maioria dos textos falam sobre a pesca na lagoa, sendo raras as referências abordando esportes náuticos, navegação ou lazer. Considerando-se a quantidade de barcos pesqueiros que tinha nesse dia, dá para entender o porquê.

Leonardo se aproximando da entrada do canal do Furado.

Água espelhada!


A travessia foi tranquila, a água estava espelhada e sem ondas. Um bando de biguás descansava na entrada do canal e Leonardo, que estava na frente, comentou que seria uma boa oportunidade para o Germano testar a nova máquina fotográfica. Nos afastamos um pouco para não assustar o bando e Germano fotografar tranquilamente. Alguns barcos pesqueiros se preparavam para o almoço entrando no canal e parando nas margens. Não sei se os pescadores chegavam a descer dos barcos, pois não tinha muito local adequado para aportar e por esse motivo, foi difícil achar uma praia para o nosso almoço.
Quase no fim do canal, entrando na Lagos dos Patos, encontramos um pedacinho de terra, bem pequeno onde cabiam exatamente, os três caiaques, e paramos ali mesmo.
O cardápio foi o mesmo da última remada: pastel. A sobremesa mudou, levamos negrinho de colher. O Germano preparou uma massinha no fogareiro e fizemos o bom e velho lanche coletivo.



Biguás nos galhos.



Leonardo admirando um biguá, bem de pertinho!

Remando pelo canal do Furado.

Muito verde, uma diversidade de plantas e sons. Garças, biguás, cisnes e um martim pescador foram as aves que pude apreciar neste passeio, fora as outras que não soube identificar.

O "Guri", cãopanheiro dos pescadores, esperando a hora do almoço dele.






Muitas flores na beira do canal.

Foto do Leonardo

Parada para o almoço.


Durante o almoço, Leonardo alimentou a lambarizada com o sanduíche que ele não comeu no café da manhã. A quantidade de lambari era tanta, que chamou a atenção de um martim-pescador, que ficou um bom tempo pousado, bem pertinho da gente e, pacientemente esperou a hora certa para atacar. Em seguida chegou outra ave.
Leonardo alimentando os lambaris e...
...o martim pescador.

O martim pescador esperando a hora certa para o ataque.
Na saída do almoço, o Leonardo foi atacado por marimbondos, que rondavam o seu colete salva-vidas e que ficou pendurado no galho de uma árvore. Durante o lanche, percebemos a presença deles, mas na hora de voltar para a água e vestir o colete, Leonardo esqueceu deles e acabou levando duas picadas. Uma única vez na vida fui picada por um marimbondo e nunca esqueci o quanto arde.
Assim que voltei a remar, uma borboletinha pegou carona na saia do Quindim, mas voou em seguida.
Achei que remaríamos de volta, na direção do camping, mas decidiu-se ir para o lado oposto para conhecermos a Ponta do Anastácio, que não era muito longe dali.
O minúsculo e difícil pedaço de terra onde almoçamos ficava no finzinho do canal, à direita. Quem diria, que à esquerda teríamos praia a perder de vista. Porém, a primeira faixa de areia que vimos, não seria um bom local para aportarmos, pois fui até a margem para deixar um besouro que se afogava na lagoa e o cheiro que exalava daquela praia, não era nem um pouco agradável.
Seguimos mais adiante e paramos em seguida, numa longa extensão de areia.
Borboleta pegando carona.
Besouro náufrago.

Aportando na Ponta do Anastácio.





Um tronco desocupado.
Um tronco ocupado.
Foto do Leonardo



Enquanto admirávamos e explorávamos aquela bela praia, o barco da Mangaviento chegou. Havíamos encontrado com eles em terra, quando o pneu do carro furou e eles pararam para ver se precisávamos de ajuda. No canal também passamos pelo barco, que estava parado na hora do almoço. Mangaviento é um escola de kitesurf com sede na praia da Varzinha.
Ficamos um bom tempo conversando ali na praia, antes de voltarmos para a água para começarmos a grande remada de retorno.



Barco da Mangaviento chegando na praia da Ponta do Anastácio.



Parece que a dona desta pegada estava em dúvida sobre qual caminho tomar.

Marco geodésico, pequeninho no meio da foto.




Parece que derramaram Qui-suco na plantinha.



Rumo ao camping da Pimenta.


Lá pelas tantas, Leonardo remava bem à frente e um biguá pousou bem na frente do caiaque do Germano. Eu vinha logo atrás do Germano e registrei a inusitada visita. Normalmente, os biguás fogem com a nossa aproximação, mas este se exibia sem medo ou estava cansado porque em seguida tentou voar mas parou na água de novo. Abaixo, na sequência, o registro da visita.





Cansaço ou exibicionismo?


Se lembro bem, a travessia de volta ao camping foi de 13 Km e levamos duas horas para fazê-la, admirando um belíssimo final de tarde. Depois de um determinado momento, com o cansaço chegando, parece que nada tá bom. Nenhuma posição no caiaque tá boa, os braços começam a doer, depois as costas, o tempo parece que não passa. Mas passa e a gente chega para o término de mais uma remada, mais um cantinho da lagoa explorado!
Abaixo, a minha chegada ao camping numa sequência de fotos clicadas pelo Leonardo. Mais fotos desta caiacada podem ser vistas nos blogs do Leonardo e do Germano.








Leonardo fotografando eu e Germano na chegada.


Não fotografei nenhum cachorro desta vez, mas encontrei uns gatinhos.

7 comentários:

  1. Tiane, show as tuas fotos e o teu relato da remada. Parabéns pela espírito de aventura e persistência, pois numa remada a ida é sempre festa, mas a volta normalmente é dureza. Como você bem colocou...não há mais posição que reduza o cansaço.....mas quando se chega ao porto tudo se transforma em boas lembranças e em sensação de superação....

    Um abraço,

    Padaratz

    ResponderExcluir
  2. Oláá...antes de + nada...adorei essas fotos aqui...me trouxeram recordações de um passeio q fiz!! Tb amo os animais...se pudesse teria um casal de cada espécie, tipo Arca de Noé...rsrs
    Obrigada pela visita e gostei do seu blog !! Venha sempre...bjoo

    ResponderExcluir
  3. Eu já tive oportunidade de frequentar a lagoa do casamento e é show!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Alguém sabe qual é o numero do telefone de lá?

    ResponderExcluir
  5. ???????????????????????????????????

    ResponderExcluir
  6. Eu sei (51)9997-1157
    Contato Célia
    Gente boa, lugar bom
    Se puder va conhecer

    ResponderExcluir
  7. este local é uma beleza

    ResponderExcluir

Responderei aos comentários aqui mesmo ou se preferir, deixe seu e-mail para que eu possa entrar em contato. Obrigada pela visita e pelo comentário!