segunda-feira, 2 de julho de 2012

Pedalada em Nova Petrópolis com Maria Helena e Trieste

 No último domingo Leonardo e eu estávamos em Nova Petrópolis e combinamos uma pedalada com os amigos e companheiros de remada Maria Helena e Trieste, que a partir de agora, também são companheiros de pedaladas.
Nos encontramos na casa dos pais do Leonardo para começar a pedalada.
Seguimos pela estreita e movimentada RS 235 até a Linha Brasil, onde entramos numa estradinha de chão.
 Este trecho até a entrada da Linha Brasil, já é bem conhecido mas ao entrar na estradinha de chão, temos várias opções de trajetos e Leonardo, o nosso guia, optou pela de maior dificuldade, pois nos deparamos com uma subida interminável onde o empurra-bike predominou.
 Empurra-bike.
 A explicação que ele nos deu, foi de que faríamos uma volta por trás do Morro Malakoff podendo apreciá-lo por diferentes ângulos. 


 Maria Helena
 Monte Malakoff ao fundo, uma bela visão!


 Uma coolméia abandonada e curiosamente pendurada num galho.
 Leonardo fazendo amizade com um belo e simpático cavalo e o Morro Malakoff ao fundo, escondido atrás das araucárias.
 Ainda bem que tudo que sobe, desce!
 Nos aproximando do Malakoff.
 Trieste e o Malakoff.
 Maria Helena, Trieste e o Malakoff.
  Leonardo e o Malakoff.
 Uma coisa que chama a atenção na região é a quantidade de casas abandonadas. Imaginamos que os donos destas casas envelheceram e morreram e os filhos, que foram estudar e trabalhar na cidade, não têm interesse em morar tão afastados. E também não há interesse na compra destas casas antigas, que vão se deteriorando e perdendo seu valor histórico. Estas casa deviam ser preservadas, pois guardam grande parte da história da região.
 Uma das muitas casas lindas e abandonadas.


 Aqui, a mata nativa deu lugar ao pinus e a lavoura.
 O Leonardo havia sugerido um lanche nas Pedras do Silêncio e assim foi feito, mas não na parte de cima e sim, aos pés das Pedras, pois o cansaço não nos deixou subir.

 Pedras do Silêncio à vista!
 Encontramos uma sombrinha onde fizemos nosso pic-nic.
 Hora de lanchar, descansar e jogar conversa fora.


 Mais uma casinha abandonada?


 Apesar de estar ao lado de uma lavoura bem cuidada, a casinha velha parecia estar abandonada.
 Uma cítrica gigante na árvore que Leonardo e eu desconfiamos se tratar de pomêlo. Impressionante o tamanho da fruta!
 Aqui, já de volta ao asfalto, uma paradinha rápida no velho moinho.
 Além da subida, a outra dificuldade que existe para pedalar na RS 235 é a falta de acostamento, o que não dá para entender numa estrada onde o turismo fervilha, principalmente no inverno.

 Trieste saindo da recuo para a parada de ônibus e voltando a disputar espaço com os carros, que tiram fininhos assustadores das bicicletas.
 A opção é andar pela grama, quando tem. Abaixo, Maria Helena na frente e Leonardo vindo lá atrás.
 Foi um dia muito agradável O ciclocomputador da minha bici marcou 27km pedalados. O dia estava muito bonito e a companhia dos novos companheiros de pedalada foi excelente! 
Dona Sonja nos esperou com uma sopinha de legumes e torradinhas para repor as energias. Delícia!
 Não dá pra dizer que foi um típico domingo de inverno, pois o calor confundiu até as plantas e flores, que floresciam e brotavam como se fosse primavera, como esta  flor da Magnólia do jardim da minha sogra, que floresceu antes do tempo. 

3 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Meu nome é Israel e sou fã do blog de vcs e a toda hora dou uma conferida para ver quais foram as novas aventuras e sempre me bate uma vontade louca pra começar novamente as minhas, masssss fico sempre na vontade. Moro em Dois Irmãos e são raras as pessoas que se aventuram por aqui, tudo oque tem é turismo pago e pra quem tem pouca grana fica praticamente impossível. Gosto muito das caiacadas e me da uma vontade louca de comprar um caiaque e curtir as lagoas e rios por ai, mas com quem? como? quem vai ensinar?? eai volto a estaca zero novamente. Omáximo que faço as vezes ´(2 ou 3 vezes por ano) é fazer uma e outra trilha de bike e nada mais. Bom mas na verdade estou escrevendo para parabeniza-los por tudo oque fazem e para pedir se tem como me dar algumas dicas para fazer esse estradão do post, achei muito legal, com paisagens lindas e queria conhecer mas não sei o trajeto, se puderem me ajudar agradeço muito. Grande abraço e boas aventuras!!!!!!!!!!!!!!!!!! meu email eletronica.luiz@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Israel, sobre esse mesmo pedal podes ver também em http://www.leonardoesch.blogspot.com.br/2012/07/hungerberg-mallakoff-e-pedras-do.html
      Em breve entrarei em contato contigo por e-mail, ok?
      Abraço,
      Leonardo Esch

      Excluir
  2. Uma pergunta: em qual entrada vocês pegaram para esta trilha? Achei linda e gostaria de fazer também. Se puder informar como chegar lá agradeço. Abraço. Curti muito o blog.

    ResponderExcluir

Responderei aos comentários aqui mesmo ou se preferir, deixe seu e-mail para que eu possa entrar em contato. Obrigada pela visita e pelo comentário!