domingo, 12 de outubro de 2014

Resumo da semana ou "tantas emoções!"

 Esta foi uma semana para testar o coração.
"Como diz o Chico Pinheiro, "coragem porque hoje é segunda-feira!" e assim, a segunda começou puxando meu tapete e levando embora a minha irmã mais nova, Serena. O pai ligou dando uma notícia que eu não esperava até porque, ontem mesmo eu fui na mãe e brinquei com a Serena como nos velhos tempos. E a mãe contou que assim ela estava hoje de manhã, brincou com o Bambam, parecia bem disposta. A mãe colocou ela para dentro e quando entrou de volta, a Serena estava morta, deitada no tapete em frente ao sofá dela. Difícil e doloroso acreditar! Quarta-feira ela tomou seu último banho e pesamos: 55,5 kg de puro dengo. Nossa monstra se foi!" 
Acima, o textinho que publiquei no Face para comunicar a morte da minha irmãzinha, nossa pequena monstra, nossa poodle, que tinha muitos amigos no Face e assim como eu, levaram um susto com a notícia e abaixo, o agradecimento que fiz pelas manifestações de carinho que recebemos.
 "Foi um choque, pois não esperávamos mas faz parte, né? Agora é esperar o tempo fazer sua parte. Gostei de ver o carinho com que aqueles que conheceram a Serena pessoalmente, falaram dela. Da turma dos focinhos lá de casa, ela foi a única que não foi recolhida na rua. Ela foi um dos 12 filhotes de uma ninhada de Dogue Alemão, e era a menorzinha deles. Um vizinho, dono da Nina, mãe da Serena, escolheu o filhote maior para ele e doou os outros. As pessoas foram escolhendo os maiores e mais bonitos e ninguém quis a pequena Serena. A mãe resolveu ficar com ela para ser a "cã" de guarda da casa, mas eis que o cão de guarda da casa pensava que era um poodle e, ao invés de ficar na rua, fazendo a guarda, dormia no sofá da sala. A poodle chegou a pesar 63 kg, até que em abril deste ano foi diagnosticado displasia e a doença do carrapato. Ela ficou muito mal e emagreceu muito. Demorou para se recuperar mas se recuperou, vinha engordando de novo e brincava como a boa e velha Serena, que não era velha, tinha só 7 anos completados em julho. Quando achávamos que estava tudo bem, ela nos prega esta peça. Deve ter sido o coração. O coração que era para servir só para bater e não para conquistar e encantar. Não me digam que os animais não têm sentimentos e que os animais agem por instinto. Só se for o instinto de amar. Eles passam por nossas vidas e deixam marcas profundas."
E abaixo, a publicação da amiga e veterinária Patrícia para a Serena. Achei tão lindo!
 "Então uma tristeza enorme tomou conta de mim.... Serena foi pro céu....a poodle que desfilava pela clínica espalhando um amor sem igual...eu ia pedir uma foto semana passada mas não quis incomodar a,mana dela....virou estrelinha junto com os outros que a Pati carregará no peito pra sempre....assim como sei q a Joana ,o Rodrigo ,o Paulo ,o Marcio tb — se sentindo triste com Tiane Bossle."

Eu pensava que tinha o coração de pedra, pois dificilmente choro quando perco um animal. Até achava estranho isso e uma vez, comentei com um grande amigo, que disse que isso devia ser uma defesa minha, já que lidava com tantos casos tristes. Em compensação, choro até em propaganda de margarina. Mas quando o pai ligou contando da Serena, não consegui falar no telefone. Dei um tempo, liguei para a mãe e caímos as duas no choro. Isso foi na segunda, dia 6 de outubro. Havia marcado um almoço com a família para quarta-feira, para comemorar meu aniversário que seria na sexta. Mandei mensagem para o meu irmão cancelando o almoço, pois não tinha mais clima para comemorar nada. Em seguida ele respondeu que estava na casa do pai e da mãe com eles. Liguei pra ele para tentar saber direitinho o que tinha acontecido com a Serena. Ele contou calmamente  e eu ouvi, mas na hora de falar, não consegui, voltei a chorar.
Quando a pessoa ou o bichinho estão doentes e a doença vem se prolongando e trazendo sofrimento para o doente, a gente vai se preparando como se estivesse se despedindo aos poucos desta pessoa, ou bichinho. Mas quando a gente não espera por aquela perda, e é precoce, dói tanto! 

 De tarde mandei uma mensagem para a mãe, me desculpando mas avisando que eu não ia mais ligar para ela na segunda, pois a gente acabaria caindo no choro toda vez. Disse que iria ver com o Leonardo para ir à Porto Alegre o quanto antes para conversarmos pessoalmente. Ela não respondeu mas não demorou muito, estavam o pai e a mãe na porteira do Recanto.
 Que surpresa! Foi o meu irmão quem sugeriu a eles que viessem me ver para me acalmar e para a mãe espairecer um pouco. E como fez bem esta visitinha de médico! Acho que não ficaram duas horas no Recanto mas foi o suficiente para nos reconfortarmos. Em certas horas, nada melhor do que um abraço!
Leonardo e eu fomos a Porto Alegre na terça, mantive o cancelamento do almoço de aniversário na quarta mas combinei um almoço com papis e mamis na sexta, dia 10, dia do meu aniversário, em Osório. O pai e a mãe adoram uma estrada e não se importaram nem um pouco de viajar uma hora para almoçar. 
E foi um ótimo almoço! Pai e mão trouxeram junto meu tio Sérginho, irmão do meu pai, outra pessoa especial na minha vida.
Depois do almoço, pai, mãe e tio Sérginho voltaram para Porto Alegre e Leonardo e eu, resolvemos voltar por um caminho diferente e acabamos fazendo um belíssimo passeio pelas serras do Rio Grande do Sul. O retorno para casa, de Osório para Maquiné, que normalmente seria de, no máximo, meia hora, durou 5 horas!  
No caminho para o almoço, Leonardo me perguntou como seria um dia de aniversário perfeito. Respondi que seria reunindo toda a família, que considero meus pais, meu tio, meus irmãos e meus sogros. Mas isso é difícil! Minha irmã mora me Ingleses, meus sogros em Nova Petrópolis e agora,  Leonardo e eu em Maquiné...  
Na volta para casa comentei que me aniversário havia sido quase 100%! Pena, que esqueci a máquina fotográfica em casa e não fiz nem um registro do almoço e do passeio.
E para fechar a semana, hoje recebi outra triste notícia. Tia Moça, tia do meu pai, irmã do meu avô Zéca, faleceu sábado de noite. Ela era a única irmã ainda viva desta família da foto acima, a família Bossle. No centro, de casaco preto, está a vó Chiquinha, minha bisavó, matriarca da família.
A tia Moça estava com 94 anos e estava com câncer, descoberto este ano. Da tia Moça só guardo lembranças boas como os dias que eu e meus irmãos passávamos na casa dela e da tia Picucha, irmã dela e do vô, e elas faziam todas as nossas vontades, preparavam doces maravilhosos para nós, faziam a salada preferida de cada um, tomate para o meu irmão, alface para a minha irmã e pepino para mim. Elas também montavam um Presépio maravilhoso todos os anos, e todos os anos perto do Natal, nós íamos na casa delas para ver aquele Presépio enorme, todo iluminado, com laguinhos de espelhos para os patos, barba de pau revestindo a gruta e a Estrela Guia magicamente pendurada no alto. Era um sonho! Ficávamos um tempão olhando!
E os acampamentos regados a café com leite condensado? Bah!!! Leite condensado lá em casa era artigo de luxo, só tinha em ocasiões especiais. Nos acampamentos que fazíamos com as tias, o café da manhã que elas preparavam para nós três era café preto com leite Moça, que substituía o leite de vaca. Nossa! Como era bom!!!! E por falar em leite Moça, agora vem a máxima da tia Moça para mim. Ela dizia para a gente, que a moça com balde na cabeça que aparece na embalagem do leite Moça, era ela... e eu acreditava!!! Passei anos da minha vida achando o máximo, a MINHA  tia Moça servindo de modelo para o leite Moça! UAU!!!
E assim termina uma semana cheia de emoções, cheia de altos e baixos. Certos acontecimentos, por mais dolorosos que sejam, servem para avaliarmos nossa tão corrida vida, o valor que damos a ela e os valores que são importantes na nossa vida. E já cantava Renato Russo: "é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã..." E os bichos também!
Peço desculpas as minhas amigas blogueiras pelo sumiço! É que são tantas emoções!!! :-) Na verdade, a mudança me deixou mais "atrapaiada" que o normal e soma-se às emoções, fiquei meio fora do ar, mas voltarei em breve!
Boa semana a todos! 

4 comentários:

  1. Oi Tiane, é a Vi, sei como é perder esses bichinhos que a gente ama tanto.
    Era jovem, a Tuica foi embora com quase 14 anos.
    Estava fazendo comparação da moça da lata com a foto da tia e acho que ela foi a modelo mesmo, ela não estava brincando.
    Eu fiquei com vontade de tomar café com leite moça.
    Beijos,Vi

    ResponderExcluir
  2. Tiane, fique bem! É o que posso desejar, pois sei o quanto estes altos e baixos nos deixam no bagaço. É preciso tempo para absorveres todo este redemoinho de novidades, notícias, boas e ruins que choveram na tua vida recentemente. E, se me permites, te desejo um feliz aniversário atrasado, pois a vida não espera. Abraço virtual apertado.

    ResponderExcluir
  3. Tiane minha doce amiga... estou aqui despedaçada, não consigo certara as teclas de tanto chorar. Eu si bem o que está sentindo, parece que nosso coração foi arrancado do peito com um punhal. Depois de alguns dias vo verá que não é um sonho e aí vem a saudade mas vai ter que superar. Ela foi par um lugar lindo onde te esperará pra todo o sempre ... tenha certeza .
    Fique bem minha linda.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi Tiane!! sinto muito sei muito bem como é perder um bichinho que já faz parte da família,nos apegamos demaiss e sofremos qdo partem , esse é aquele que tu me mostrou da janela aquele dia em que fui aí?/ mas ele estava bem, o q aconteceu?//
    espero que tu fiques bem logo amiga!

    Qto aos meus mimos faço sentada e bem acomodada, ela dói muito qdo me abaixo e na área do pescoço , no músculo trapézio, ou qdo ando muito ou fico muito de pé...estou proibida de ir muito no computer, de pegar na vassoura , e fazer serviços de casa , no mato é uma tristeza pois não posso mexer na terra , mas logo passa se Deus quiser!

    Fica bem e Felicidades querida!

    bjssssssssssss

    ResponderExcluir

Responderei aos comentários aqui mesmo ou se preferir, deixe seu e-mail para que eu possa entrar em contato. Obrigada pela visita e pelo comentário!