terça-feira, 28 de outubro de 2014

Uma remadinha, depois de muito tempo.

Começando a remadinha no fundo do quintal. 
  Depois de muito tempo, acho que um ano, sentei num caiaque novamente. Leonardo havia sugerido um pic-nic de aniversário mas andar de caiaque não é exatamente o que eu gostaria de fazer no dia do meu aniversário então, deixamos para outro dia que acabou acontecendo na última sexta-feira. 
Na foz do rio Maquiné. 
 Leonardo entrando na Lagoa dos Quadros.
 Saímos dos fundos do casa, pelo braço morto do rio Maquiné, e adentramos na Lagoa dos Quadros, há pouco mais de um quilômetro do Recanto. O tempo estava bom, quente, sem vento. A lagoa estava um espelho!



 Ao longe dava para ver os novos "cata-ventos" de Capão da Canoa, que fotografei no zoom máximo da minha máquina.
Eu, o Tubarão Clandestino e as nuvens. 
Foto do Leonardo
Da nossa casa até as Figueiras, tradicional local de acampamento dos remadores, dá uns sete quilômetros. Um pouco antes de chegar nas Figueiras tem uma casinha que adoro, e remei um bom tempo procurando por ela.
Ei-la! Sou apaixonada por ela desde a primeira vez que remei na Lagoa dos Quadros e acampamos nas figueiras. Um tempinho depois, começamos a procurar um sítio para morar e comentava com o Leonardo, como gostaria que aquela casa estivesse à venda. Quatro anos se passaram e a casa está mais judiada, mas continua charmosinha.
 Foto do Leonardo
 Chegando nas figueiras e vendo os cata-ventos mais perto.
 Pic-nic à vista!

 Arrumando a "mesa".
Foto do Leonardo
Mesa posta: empadinhas de palmito, rolinho de tomate-seco com rúcula e ricota e ovo cozido.
 Nós. 
Foto do Leonardo
Ele.
 Eu confesso que almocei um pouco apreensiva, com vontade de voltar logo para a água porque achava que o vento tinha aumentado um pouco. Não era nada demais, mas depois de alguns apuros que passei em remadas passadas, agora me sinto desconfortável com o mínimo balanço do caiaque.
Por conta deste medinho, não tirei nenhuma foto no retorno pela lagoa, até chegar de volta ao rio, que estava bem esverdeado devido o acúmulo de algas.
Foto do Leonardo
 Leonardo ficou fotografando algumas aves próximo a balsa e para não me distanciar muito dele, parei de remar e deixei que a água levasse o caiaque. 
Terminada a sessão de fotos voltamos a remar. 
Foto do Leonardo 
Passamos reto pela nossa casinha porque eu queria ir adiante do braço morto, onde só havia ido uma vez. Foi interessante ver a casinha de um ângulo diferente.
Foto do Leonardo
 Mais uma vez, Leonardo parou para fotografar e eu fui um pouco mais adiante, sem me demorar muito.
 Avistamos uma ave diferente na vegetação ribeirinha. Dei um zoom e fotografei rapidamente, me afastando para deixar que Leonardo tirasse fotos com a máquina dele, que é bem melhor que a minha.

Gostei de ficar olhando nossa casinha do rio.  Chamei pela cachorrada mas ninguém ouviu.  
Não parece, mas a casa não fica muito próximo do rio.
Últimas remadas do dia. 
Desembarquei do caiaque e fiquei fotografando e filmando Leonardo, enquanto ele treinava algumas manobras como esta da foto, que se chama "as mina pira". 
Que venha a próxima remada, mas sem vento e sem ondas!

8 comentários:

  1. Parabéns pela coragem!!!! Eu nunca, nunquinha mesmo, fui amiga de barcos e congêneres... Morro de medo, é insano mas é verdade.
    Isto mesmo amiga, aproveite a vida, o "namorido" e este pedaço de paraíso onde vcs moram.
    Um abraço!
    Egléa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Egléa! Se dependesse do Leonardo, estaríamos morando num veleiro ou rodando o mundo em caiaques. Apesar de já ter remado bastante com ele, tenho minhas limitações na água e ando bastante medrosa depois de uns apuros que passei nos mares de Santa Catarina. Minha paixão mesmo é a bicicleta. Estou voltando a pedalar devagarito! Bjinho!

      Excluir
  2. Corajosa você..eu morro de medo só entro na minha piscina porque da pé!
    kkkkkkkk
    não é exagero não Tiane, tenho muito medo, pra ti ter uma idéia não entro nem no mar, só se não tiver onda e ainda bem no rasinho!
    sei lá esse medo , acho que de outras vidas ...kkkkk
    sua casa ficou bem perto mesmo , não tem perigo de enchente/?
    bjssss

    ResponderExcluir
  3. Tiane, me admira (e encanta) demais as suas aventuras pela natureza. Se eu pudesse, juro que eu faria o mesmo. Ei, manda um pouco dessa água pra cá, pois os rios estão secos por aqui :(
    As fotos como sempre estão belíssimas. Diga ao seu marido que ele é muito bom nisso!
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Vim retribuir a visita que fez ao meu blog e deparei-me com estas imagens maravilhosas! Adorei o seu blog! Tem tudo a ver com o meu estilo de vida... vou voltar mais vezes! Manuela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Manuela! Também fiquei encantada com o teu blog por me identificar muito com ele.Estou acompanhando ele há alguns meses e amo tuas fotos, tuas postagens. Pode ter certeza que continuarei te visitando sempre. Bjinho!

      Excluir
  5. Menina,

    Me explique uma coisa...
    Esse lugar existe?
    É um sonho?
    Que coisa mais linda!!!
    Agora creio que o Paraíso existe, viu?
    E está no Brasil...
    Lindos dias com seu love e seus fiotes!
    Parabéns pela escola de bem viver!

    Bjksss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OI Nadja! Este lugar é um sonho, o sonho que Leonardo e eu realizamos, mas é bem real, fica aqui no sul, no litoral. Maquiné é uma cidade linda com muito verde, muita mata nativa ainda. A gente mora para o lado da lagoa, onde não tem muita mata mas também tem sua beleza. Se vieres para o sul um dia, dá uma passadinha aqui. Bjinho!

      Excluir

Responderei aos comentários aqui mesmo ou se preferir, deixe seu e-mail para que eu possa entrar em contato. Obrigada pela visita e pelo comentário!