segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Um sábado de remadas com Tombinho

No último sábado aconteceram dois eventos envolvendo a canoagem e o meio-ambiente, duas paixões dos moradores do Recanto. Os eventos eram em duas cidades distante quase cem quilômetros uma da outra, mas por sorte, um aconteceu de manhã e o outro no final da tarde de sábado então, conseguimos participar dos dois. 

2a. Caiacada do Taramandahy - Fase II

Foto: Leonardo Esch

A primeira caiacada do dia aconteceu na lagoa do Bacopari, no município de Mostardas. Foi a terceira vez que Leonardo e eu participamos das caiacadas do Comitê Taramandahy, e a primeira vez do Tombinho. As outras duas foram no município de Tramandaí, uma no rio Tramandaí e a outra pelas lagoas de Tramandaí. 
Foto retirada da página do evento no Facebook

Saímos cedinho do Recanto, pois teríamos quase duas horas de viagem pela frente. Como as duas remadas seriam curtinhas, resolvemos levar o Tombinho junto. Minha maior preocupação em levá-lo era o sol mas estava bem nublado e ventoso. Mais nuvens e mais vento do que o esperado. 
 Mas o tempo feio não espantou as pessoas da lagoa. Adorei esta menina, bem agasalhada,  brincando na prancha de stand-up.
Preparativos antes da remada.
 Leonardo fotografando, entre outras coisas...
 ...Tombinho e eu, prontos para caiacar.
 A caiacada começou com um abraço simbólico em um marco na beira da lagoa. Em seguida, enfrentamos algumas ondinhas até chegar num pequeno canal que liga a lagoa do Bacopari a lagoa Negra, ou lagoa da Corvina.
 O canal estava muito bonito, tomado por flores das plantinhas aquáticas.
Na lagoa Negra não tinha muito vento.
 E Tombinho, que ficou um pouco assustado com as ondas no começo da remada, se acalmou e começou a curtir o passeio a bordo do caiaque do pai.
 Com o pai ele fica mais tranquilo! 
 Foi a melhor caiacada organizada pelo Comitê! Aconteceram três paradas na lagoa da Corvina com direito a aula de ecologia.
 A primeira foi para mostrar e falar sobre a mata nativa, a mata ciliar que deveria ser preservada nas margens de rios e lagoas, áreas de preservação permanente (APP). 
 Comentaram que nesta época do ano, a água da lagoa é retirada para irrigar lavouras de arroz.
 Fizemos um pequena caminhada mata adentro. Pequena mesmo porque não tinha muita mata para se caminhar, pois em seguida acabava a vegetação e começava um potreiro onde vive o gado que come as mudas novas das árvores, que pisoteia uma área que deveria ser protegida e que vive e morre para virar carne. Por essas e outras que sou vegetariana.
 Voltamos para a água para parar mais adiante, novamente. 
 A segunda parada foi para mostrar a formação geológica da lagoa, mais especificamente, esta duna, se não estou enganada, uma duna paleolítica. Vou confirmar esta informação e se estiver errado, volto e corrijo o texto.
 Dando a volta na lagoa e parando para aprender um pouco.
Foto do Leonardo
 E a terceira e última parada foi para mostrar um canal que irriga a lagoa da Corvina, ou lagoa Negra. Não passa de um filete de água mas de grande importância para a lagoa.
Foto do Leonardo
Foi bom demais este evento! Bem organizado, bem planejado e bem executado! A ideia das paradas com as pequenas aulas de preservação e ecologia, foi excelente!
Remamos um pouco, aprendemos um pouco mais, fizemos novos amigos e no final, tínhamos um Tombinho cansado que dormiu quase toda a viagem de volta. Deixamos a lagoa do Bacopari pelas duas horas da tarde e seguimos para Osório para o segundo evento do dia.
 Uma rápida parada no Parque Eólico de Osório. Tombinho gosta de olhar os cata-ventos.
E o pai também! 

S.O.S. Lagoas de Osório

Chegamos em cima do laço para o segundo evento do dia. A Lagoa do Peixoto estava calminha, não tinha tanto vento como em Bacopari, mas achamos melhor que o Tombinho ficasse descansando no carro.
Só que ele não achou melhor esta opção e pulou para fora querendo ir com a gente. Então, tá! 
Remei com ele no começo, da Lagoa do Peixoto até o canal.Quanto mais perto do canal, mais vento e ondas apareciam. Tombinho ficou bem desconfortável e eu também,claro!
O canal que liga as lagoas do Peixoto e do Marcelino estava mais protegido do vento e a remadinha foi mais tranquila ali. No final do canal, Tombinho passou para o caiaque do Leonardo.
Foto retirada da página do evento no Facebook.
Nunca tínhamos remado tanto tempo com o Trumbico e percebemos que, quando ele está com um, fica olhando para os lados procurando o outro então, quem não está com ele deve permanecer na frente para que ele fique voltado para a frente e não desequilibre o caiaque. Ele quer o pai e a mãe juntos. Que figurinha!
A lagoa do Marcelino é a que recebe todo o esgoto da cidade de Osório então, imaginem onde estávamos remando... 
Haviam algumas pessoas de stand-up e a gozação era se alguém caísse na água. Atravessamos a lagoa do Marcelino onde teve uma apitaço com faixas pedindo a despoluição da lagoa. Algumas pessoas aguardavam em terra apoiando a manifestação. 
O vento aumentou, o pessoal que estava de stand-up debandou desistindo da remada, só ficou o pessoal que estava de caiaques. 
Tombinho cruzou a lagoa do Marcelino e parte do canal comigo, passando para o caiaque do Leonardo novamente, perto da Lagoa do Peixoto, onde o vento contra estava muito forte.
Leonardo remou na frente e eu fiquei bem para trás porque tentei fechar a saia do caiaque antes de entrar de volta na lagoa do Peixoto mas não consegui. Enquanto tentava colocar a saia, o vento levava meu caiaque para trás então, achei melhor remar sem a saia mesmo e nisso, o Leonardo já tinha se distanciado bastante de mim, o que achei muito bom, pois assim, Trumbico não ficaria olhando em volta a minha procura e não tiraria o equilíbrio do Leonardo.
Foi uma remada difícil, pois o vento estava muito forte e começou uma chuvinha guasqueada. 
Mais tarde, Leonardo contou que estava difícil de remar com o Trumbico,o vento forte e a chuvinha na cara e de repente, Tombinho se vira para trás e começa a lamber o rosto do Leonardo, como quem diz, "tá tudo bem, pai! Vou secar o teu rosto." Leonardo disse que quase desmanchou de emoção naquela hora.
No fim acabou tudo bem! Todos chegaram sãos e salvos e sem cair na pobre lagoa poluída. Alguns respingos dela foram inevitáveis mas nada que um bom banho não resolva.
E por incrível que pareça, assim que chegamos em terra, o vento parou e a lagoa virou novamente uma lagoa e não um mar revolto como antes.
 E esta foi a última foto da minha máquina, que morreu afogada na remada. Buáááá!!!! Estou sem máquina! Não sei se consigo viver sem... que tragédia! rererer
Foi um sábado muito bom apesar dos prejuízos: a minha máquina fotográfica, perdemos uma calota da roda do carro e perdi o pingente de gatinho da minha gargantilha. ai,ai... mas faz parte!
Hoje de manhã, a mãe ligou avisando que o Leonardo e o Tombinho estavam no jornal, na Zero Hora de Porto Alegre, numa reportagem sobre a primeira caiacada do dia, na lagoa do Bacopari. Por incrível que pareça, a Zero Hora não chega aqui em Maquiné então, procurei na internet, onde tem várias  fotos do evento e onde também apareço com o Trumbico. 
Se alguém quiser conferir a matéria, segue o link aqui. É nóis na mídia! 
E depois deste dia onde remamos na lagoa mais limpa e na mais suja da bacia do Tramandaí, fica a mensagem que não quer calar: vamos cuidar das nossas águas! 

2 comentários:

  1. Deve ser bem divertido , e todos participam , os cachorrinhos adoraram .

    beijinhos

    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Não entendo nada de caiaques ,ventos...mas se há algo q me deixa impressionada é o comportamento de certos cães ,' tombinho ' é um deles. É emocionante o companheirismo dele . Belas Fotos . Abços Mª Morais.

    ResponderExcluir

Responderei aos comentários aqui mesmo ou se preferir, deixe seu e-mail para que eu possa entrar em contato. Obrigada pela visita e pelo comentário!