domingo, 9 de dezembro de 2012

Caiacada no Tramandaí - 17/11/2012

Leonardo, Tombinho, Pinheiro, Brigitte, Kin e eu fomos para Maquiné no final da tarde de sexta-feira. No sábado cedinho, acordamos, tomamos café e Leonardo e eu tivemos que deixar a cachorrada trancada dentro de casa para  participar da Caiacada no Tramandaí, evento organizado por ongs de Maquiné e Tramandaí. 
Deu peninha ter que deixá-los presos, mas não tínhamos outra alternativa. É muito engraçado! Eles sentem que vamos aprontar alguma coisa e se negam a entrar dentro de casa, tivemos que pegar um por um no colo  e colocar dentro de casa. A carinha de tristeza que eles fazem é de cortar o coração, mas melhor deixá-los presos o dia todo do que correr o risco de algum deles tentar ir atrás e acontecer algo ruim.
O ponto de encontro e a saída para a caiacada festiva foi na Barra do rio Tramandaí. De um lado é a praia de Imbé e do outro, a praia de Tramandaí, a capital das praias gaúchas!
O caiaque azul é o meu "Tubarão Clandestino" e o verde não é de criança, não! É do Sena, amigo do Leonardo da cidade de Três Coroas, um caiaque específico para descer corredeiras.
Começando a caiacada!
Antes de chegarmos ao ponto de encontro, ainda no carro, encontramos o Sena, amigo do Leonardo e morador de Três Coroas onde tem o rio Paranhana e suas corredeiras. Marcio, de Osório, já estava por lá quando chegamos, e Maria Helena e Trieste chegaram em seguida. Ainda encontramos lá o Hélio e sua esposa e mais o Fabiano com o caiaque do amigo Germano. Além destes conhecidos, havia muita gente e muitos caiaques e o dia estava começando muito bonito, com bastante sol. 
Sena fazendo piruetas com o seu caique de águas brancas. Levei um baita susto quando ele deu a primeira pirueta bem ao meu lado, achei que alguém havia caído na água. 


Leonardo na sua criação, o "Black Jack".
Tentativa de um abraço simbólico a laguna e ao Rio Tramandaí.
Após a tentativa do abraço, passamos por baixo da ponte Giuseppe Garibaldi, mais conhecida como ponte da Sardinha, onde várias pessoas ficam aglomeradas tentando pescar alguma coisa. A pesca nesta ponte é proibida, mas nem mesmo depois de um acidente grave no final do verão passado, onde um carro atropelou e matou pessoas que pescavam sobre a ponte, fez com que as pessoas respeitassem a proibição ou que as autoridades fizessem cumprí-la.  

Foi uma remadinha curta, de caráter contemplativo. Foi  a segunda organizada pelo Comitê Tramandaí, que Leonardo e eu participamos, essa era a quarta ou sexta organizada por eles. A outra que participamos foi no começo de 2011, quando andava pela primeira vez no "Tubarão Clandestino" e quando teve um ciclone em plena remada. Postei sobre essa remada aqui .
Nesta remada saímos do rio Tramandaí, remamos pela lagoa, que pelo que sei, chama-se Lagoa do Tramandaí,mas deve ser o nome popular. Talvez, o nome certo seja Lagoa do Armazém. Da lagoa do Tramandaí ou do Armazém, entramos no canal do Arroio Camarão, um canal artificial que liga as Lagoas do Armazém e a lagoa das Custódias.  
A chegada era num condomínio às margens do canal, mas a proposta do trajeto era passar reto pelo local da chegada passando por baixo da Ponte do Camarão, até a Lagoa das Custódias, mas a grande maioria dos participantes viram o pessoal da organização no condomínio e parou ali mesmo. Leonardo, eu, Márcio, Maria Helene e Trieste, Hélio e a esposa e mais uns quatro caiaques seguiram até a Lagoa, que é muito perto do condomínio. Na Lagoa, onde havia muito vento, demos meia-volta e seguimos para finalizar a Caiacada do Tramandaí.
Participantes chegando no condomínio e finalizando a Caiacada.
Ponte do Camarão à vista!
Quase na Lagoa das Custódias.
Leonardo e o Black Jack.
Passando pelos condomínios de luxo no canal.
Deve ter sido uma enchente e tanto para esta motoaquatica parar na chaminé...
Passando por baixo da Ponte do Camarão de novo.
Fim de remada! Desta vez, deu tudo certo! Não houve ciclone, nem qualquer outro contra-tempo que atrapalhasse a remadinha.
Ainda teve distribuição de brindes e um "salchipão" que me surpreendeu, pois não era apenas pão e salsichão. Tinha alface, rúcula e tomate e o meu salchipão foi pão com muita rúcula, alface e tomate! Peguei o salsichão que tinha por direito para levar para os cachorros, mas ele sofreu um acidente no meio do caminho e não chegou até Maquiné.
Saindo do condomínio (fomos os últimos!), seguimos para Tramandaí para almoçar. 
No almoço: Márcio, Leonardo, eu, Maria Helena, Trieste e Hélio, fotografados pela esposa do Hélio.
O legítimo "quatro olhos"!
De volta a Barra do Tramandaí, desta vez, do lado de Imbé, após o almoço. Uma garça espera seu almoço pousada nas tubulações que enfeiam o local.
Dois malucos tentaram atravessar a Barra à nado mas a correnteza foi mais forte e levou eles para o mar onde conseguiram sair pelas pedras dos molhes.
O vento estava bem forte, ideal para os kitesurfs que brincavam nas ondas achocolatadas de Tramandaí e Imbé.
Parada em Osório para comprar mel.
A foto tá ruim, mas não podia deixar de registrar a hora do rush na Estrada do Canta Galo: três cachorros, uma vaca e um ciclista!
De volta ao Recanto: festa da cachorrada, depois de ficar presa dentro de casa o dia inteirinho!
Aqui, eu estou fotografando e brincando com o Trumbico.
"Joga a bola,mãe!"
"Peguei!"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei aos comentários aqui mesmo ou se preferir, deixe seu e-mail para que eu possa entrar em contato. Obrigada pela visita e pelo comentário!