sábado, 22 de junho de 2013

Pedalada da Amizade - Primeiro dia: Rondinha até a Serra do Faxinal - 18 de Novembro de 2010

Em 2010, Leonardo e eu fizemos uma viagem de bicicleta com o amigo Evânder, nosso amigo atleta. As fotos e parte do texto estavam no rascunho do blog até agora. Depois do passeio do dia dos namorados pela Serra do Umbú, lembrei da pedalada, pois passamos pela Serra também, e resolvi postar as fotos da viagem, finalmente. Então, aí vai, o primeiro dia de pedal da Pedalada da Amizade, como o Leonardo nomeou. 
Da série, "postagens atrasadas"...

Preparativos em casa. Foto do Leonardo
Por-do-sol na Estrada do Mar
Finalmente vai começar a pedalada tão falada e tão desejada por Leonardo, Evânder e eu, e que vinhamos tentando combinar há meses.
Leonardo e eu saimos de carro, de Porto Alegre no final da tarde do dia 17, em direção a praia de Rondinha, mais especificamente, a casa dos pais do Leonardo. Evânder havia saído de Viamão, de bicicleta, pela manhã, teria um dia de pedal a mais que nós. As fotos acima são do dia 17.
Chegamos na praia bem depois do Evânder, que pegou chuva e parou para consertar os raios da bicicleta. Seu Egon, pai do Leonardo, havia saido de Rondinha, de bicicleta para encontrar o Evânder no meio do caminho, mas como Evânder entrou em Capão da Canoa atrás de uma oficina de bicicletas, se desencontraram e seu Egon acabou pedalando até Osório.
O começo da pedalada se deu na manhã do dia seguinte, uma manhã ensolarada e quente de final de outono. Nos despedimos do casal Sonja e Egon, sempre hospitaleiros e prestativos, e começamos a Pedalada da Amizade. Esse foi o título que Leonardo usou na postagem do seu blog. Acredito que tenha sido pela prova de amizade que o Evânder demonstrou, pois um atleta como ele, pedalar com uma lesma como eu, e com o Leonardo que pára para fotografar o tempo todo, só sendo mui amigo mesmo!

Vai começar!
Saimos de Rondinha, pegamos a Estrada do Mar em direção a Torres, por onde pedalamos até entrar numa estradinha de chão que nos levaria até a BR 101. Esse trecho da Estrada do Mar foi bem cansativo pra mim, pois senti muito calor e me sentia pesada, parecia que o pedal não tava rendendo. Fiquei preocupada pois, se estava me sentindo assim no comecinho, como pretendia subir a Serra do Faxinal? Mas assim que entramos nesta estradinha de chão, tudo mudou. O ritmo mudou, passamos a pedalar mais devagar, costeando a lagoa Itapeva, admirando a paisagem e parando para fotografar.
Leonardo numa ponta.

Evânder na outra ponta.

Na BR 101. Foto:Leonardo Esch
Logo chegamos na movimentadíssima BR 101, mas por incrível que pareça, me senti melhor pedalando nela do que na Estrada do Mar. Claro, que o trecho pedalado na BR foi bem pequeno, pois em seguida pegamos uma estradinha de chão que leva a cidade de Dom Pedro de Alcântara.
Logo no comecinho da estradinha, senti algo diferente na minha bicicleta: pneu furado!
Ops!
Ainda bem que eu estava super bem acompanhada de dois hábeis trocadores de pneus.



Com Leonardo e Evânder, a diversão está garantida!



Pneu consertado, viagem segue.

No centro de Dom Pedro de Alcântara, a tradicional Igreja na praça prinicpal.

Impossível não parar para fotografar.

Evânder ao lado de uma capela e no fundo, uma caverna no alto de um morro.

Amei o colorido do Cipó São João desta casa.

Subindo...
Subindo...

Foto do Leonardo
Evânder e Leonardo numa rápida paradinha.

Eu e Evânder voltando a pedalar. Foto do Leonardo

Parada para o almoço em Morrinhos do Sul.

Descanso depois do almoço, na tradicional praça principal onde tem a Igreja...

DEPOIS DO ALMOÇO...
Mais um pneu da minha bici furado...





Pneu novo, rumo à Praia Grande, Santa Catarina.

A ponte sumiu...

Rio Mampituba, divisa dos estados do RS e SC.

Atalhando o caminho.




Meu herói!!!!!!!!

Achamos a ponte, esperando Evânder.

Agora em Santa Catarina, na cidade de Praia Grande, cidade que não é grande e nem tem praia, mas tem a tradicional praça da Igreja...
Foto do Leonardo

Preparativos para o trecho mais esperado do dia.

A subida da Serra do Faxinal

A Serra do Faxinal corta o Parque Nacional dos Aparados da Serra, entre os municípios de Praia Grande - SC e Cambará do Sul - RS.

Foram 15 km de subida na Serra do Faxinal. Parte da estrada, no começo, alterna asfalto e estrada de chão depois, só fica a estrada de chão...



A gente veio lá de baixo...

Consegui pedalar esses quilômetros que alternaram asfalto e chão, depois a subida foi ficando cada vez mais íngreme e eu, cada vez mais cansada.
Como sempre, na hora do aperto, me questiono: "O que é que eu estou fazendo aqui????"
Foto do Leonardo
Foto: Leonardo
Um planinho!!!!!! Foto: Leonardo
Minha alegria durou pouco: mais subidas! Muitas curvas e muitas pedras no caminho.
 Foto: Leonardo
Foto: Leonardo
Quanto mais alto, mais frio sentíamos e mais perto das nuvens íamos chegando. Chegamos a 978 metros de altitude.  Além de sequelada pelos, pelo menos 8 Km que empurrei a bicicleta lomba acima, agora a preocupação era não passar frio. Tínhamos que continuar pedalando para aquecer, mas como pedalar se não aguento mais?
Quase chegando no céu...

Fim da subida! Mal tive forças para levantar os braços... Logo adiante havia o posto de fiscalização onde pedimos água e informação. O guarda foi muito simpático mas enfatizou que não era permitido acampar no Parque.  Eu estava muito cansada mas seguimos pedalando na escuridão mesmo, para encontrar um local para acamparmos. Não sei quanto ainda andamos, meu cansaço era tanto, que Leonardo montou a barraca, eu entrei do jeito que estava e dormi. Mais tarde Leonardo me acordou para que eu me alimentasse, não lembro se ele me deu um prato com sopa, massa ou algum arroz, só lembro que comi, aquilo caiu muito bem no estômago e dormi de novo. Tenho muito a agradecer aos meus companheiros de pedalada pela paciência que tiveram comigo. Evânder, o atleta, pedalava sua bicicleta serra acima até sumir da minha vista. De repente, aparecia descendo a estradinha, correndo na minha direção, pegava a minha bici e empurrava para mim, por um  bom trecho, até chegar  na bici dele. Largava a minha ali e pedalava a dele até sumir de vista de novo e fez isso várias vezes! E Leonardo, que tinha condições de subir pedalando, me acompanhou durante toda a subida, ora pedalando devagarinho, ora fotografando. Sem contar o cuidado comigo no acampamento. 

Foram 87,51 Km pedalados naquele dia. Apesar do cansaço no fim do dia, uma pedalada incrível! Inesquecível! No outro dia tem mais, a pedalada continua!

6 comentários:

  1. Oi flor!!! Vc já ouviu falar em inveja branca? Pois foi exatamente o que senti vendo as fotos desse passeio fantástico!!! Queria estar aí no meio de vcs heheheheh Beijos

    ResponderExcluir
  2. Por isso pedalada da amizade. Nos bons e maus momentos sempre unidos. Adorei o post e me identifiquei muito com a situação. Na última vez que tentei andar de bici só fiz marido padecer tadinho. Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  3. Oi linda, que maravilhosa essa sua aventura!! Queria muito estar aí, acho que a gente iria rir tanto que chegar no destino seria impossível kkkk. Querida, eu amo esse tipo de aventura e adoro com vcs tocam a vida, é assim mesmo, a vida fica com um sabor diferente não é?
    Parabéns minha flor.
    Admirada da sua força esportiva!!!! UAU.
    BEIJOCAS PRA VC E LEO

    ResponderExcluir
  4. Que viagem linda...cheia de aventuras, lugares lindos!!!Abs. Marion, do blog Criações em família & cia.

    ResponderExcluir
  5. Amo amo amo tudo isso e amo vcs todos, Tiane.

    ResponderExcluir
  6. Tiane, adoro essas histórias que você conta e as aventuras que você vive. Vontade doida de me aventurar por aí também, rsrs
    bjs

    ResponderExcluir

Responderei aos comentários aqui mesmo ou se preferir, deixe seu e-mail para que eu possa entrar em contato. Obrigada pela visita e pelo comentário!