domingo, 26 de abril de 2009

Segunda Etapa da Fórmula Truck - Eusébio - Ceará - Parte IV: Domingo, o grande dia.

O hotel não ficava perto do autódromo e algumas coisas me chamaram a atenção neste trajeto. Uma delas, acredito que seja normal para um gaúcho que vai para Fortaleza pela primeira vez, foi a quantidade de coqueiros e com cocos! Muitos coqueiros e muitos cocos verdinhos e amarelinhos por tudo que é canto! Não consegui fotografar pois só via eles de passagem, dentro do carro e a foto não ficaria boa, com certeza. Muitos pés de manga também mas isso já não me surpreendeu tanto pois em Brasília também tem bastante.
Gostei muito do verde de Fortaleza. Gostaria de ter andado de bicicleta pela cidade para ver as plantas e árvores com mais calma e detalhes.
Infelizmente, também tem muitos cães soltos e magros pela cidade. Mulas, jegues ou sei lá como chamam os burricos por lá, só vi dois, soltos pela rua como cães sem dono. São tão bonitinhos! Dá vontade de levar prá casa!
Voltando para o lado bonito da viagem, no caminho para o autódromo tinha esse lago ou mangue da foto abaixo, não sei o que é isso exatamente. Como a gente sempre passava por ele muito cedo, antes das 8hs, todos os dias via algumas pessoas dentro dele, mais pela beira, catando alguma coisa por isso, achei que poderia ser um mangue.
Esqueci de dizer que o dia amanheceu de bem com a vida! Céu azul, azul, azul! - adoro azul, tudo que é bom é azul, já perceberam? E o dia também começou mui caliente. Chegamos no autódromo um pouco antes das 7h30 e já dava para suar ficando sob o sol.
Como não posso ficar sem uma preocupaçãozinha rondando minha mente por muito tempo, ontem de noite mesmo achei uma nova, depois de ver as "bichinhas" soltas pelo autódromo: se soltaram elas no sábado de noite, conseguiriam prendê-las novamente no domingo? E não é que conseguiram? A primeira coisa que vi quando entrei na área dos boxes foi a bicharada amarrada. Pegaram a cachorrinha que invadiu a pista no sábado, uma pretinha que também ficou presa no sábado e mais dois novos. A magricelinha que também havia ficado presa no sábado não estava, disseram que não a encontraram, sumiu...
Fiquei feliz e preocupada logo em seguida: tava muuuuito quente! Muito quente mesmo e onde eles estavam não tinha muita proteção. Fiquei remoendo essa preocupação durante todo o warm-up mas no que terminou, fui correndo para ver se ainda estariam lá e tomar alguma providência, caso fosse necessário.
O pessoal da Truck me surpreendeu muito, e positivamente, em relação a isso. Em qualquer outro lugar ou outra organização de prova, teriam escurraçado a cachorrada ou tomado algum outro tipo de providência como chamar o CCZ. Eles não só, já haviam trocado os quatro de lugar como colocaram tapetes e tábuas para eles deitarem, e um balde de água para cada dois cães. Os quatro estavam acomodados debaixo de um dos caminhões da organização que fica parado durante todo o final de semana. Tava bem fresquinho lá, até eu fiquei embaixo do caminhão numa das vezes que fui levar petiscos para eles.
Estou usando bastante o termo "bichinha" porque o povo de Fortaleza usa muito e, para várias coisas, não necessáriamente, para se referir a um animal. É como se fosse o "trem" dos mineiros.

Esta é a pretinha que foi presa no sábado e no domingo.
Esta é a maluquinha que invadiu a pista no sábado. Pelo jeito, ela gosta de uma bicicleta...


Esta, apareceu no domingo pela primeira vez. Bem alegre e festeira!

E este, logo que vi não me atrevi a fazer carinho pois ele não estava com cara de muitos amigos. Depois, quando voltei com os primeiros petiscos, se derreteu. Numa das últimas vezes que fui vê-los, ele chegou a virar de barriga para cima para que eu fizesse carinho na pança... pancinha é melhor porque ele tava bem magrinho. Ele tem muitas cicatrizes pelo corpo e, principalmente, na carinha e me pareceu ser de briga. Ouvi dizer, lá pelo autódromo, que em Fortaleza fazem muitas rinhas e não é uma coisa escondida como aqui em Porto Alegre. Parece que é bem escancarado como se fosse uma tradição...

Estes são os petiscos que a organização distribui para o pessoal que trabalha na prova. O cachorro das cicatrizes adorou os pãezinhos recheados de calabreza mas gostou mais ainda dos espetinhos de linguiça, carne e frango que levei para eles...

Depois do warm-up e antes da largada tem o show. Além de um desfile com os caminhões e pilotos tem o show com o Jefão, que faz acrobacias em 2 motos. Muuuito legal!


Essa fumaça que aparece na pista é o Jefão fazendo zerinho com a moto.


E também tem o show com os caminhões. São três caminhões pilotados pela Dani, Gabi e Júnior, filhos do Aurélio, o pai da Fórmula Truck, falecido no ano passado. Eles fazem hoje, as manobras que o pai fazia.
O caminhão do Júnior

Os três juntos na pista.
O vencedor da etapa cearense foi o Geraldo Piquet. O gaúcho, o Régis, quebrou na largada... mas aguardem! Nas próximas etapas ele virá com tudo!
Saímos bem cedo do autódromo, devia ser umas 16h30. Foi o dia que saímos mais cedo. Pensei em dar uma caminhada pelo hotel e praia mas escurece muito cedo lá. Às 17h30 já não tem mais sol. Aí, fiquei com medo (preguiça) de sair e voltar de noite...
Como nosso avião era na segunda, saímos para jantar no domingo. Comer em Fortaleza, para um vegetariano, não me pareceu tarefa muito fácil. Não conheci muito da cidade para afirmar isso com 100% de segurança mas, do pouco que vi, fiquei com esta impressão.
Ah, já ia me esquecendo de fazer um registro sobre a ciclovia. Para chegar até o autódromo andávamos por uma avenida enorme. No meio dela tem uma ciclovia, que acho, vai de Fortaleza até Eusébio, a cidade vizinha onde fica o autódromo. O pessoal de lá anda muito de bicicleta, me pareceu ser um dos principais meio de transporte deles, fiquei impressionada com a quantidade de ciclistas.
Tirando a viagem de avião, o resto foi legal. Como se não bastasse eu ter voltado de Brasília, no ano passado, na poltrona da saída de emergência, que não reclina, peguei ela, de novo, de Porto Alegre até São Paulo agora, na ida. E de Fortaleza até Brasília na volta. Sofrenildo sai de férias, sabe?!
Apesar de não ter sido uma viagem turística, adorei conhecer um pouquinho da capital cearense. Fiquei com vontade de voltar para passear e pedalar por lá.

Vista do saguão do hotel
Esta passarela atravessa uma das muitas ruas que tem pelo Resort e une as alas A e B do hotel. Eu fiquei na B.

Esta foi a Cronomap na Truck: Mônica, Fernando e Betinho. Ah, e eu.
Agradecimentos:
Dieguito, meu cunhado, pelo empréstimo da máquina fotográfica.
Lídia e mamis, por terem tomado conta da bicharada prá mim.
Aldo e Betinho, por terem me chamado para trabalhar.
Fórmula Truck, por ter tratado os cães com respeito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Responderei aos comentários aqui mesmo ou se preferir, deixe seu e-mail para que eu possa entrar em contato. Obrigada pela visita e pelo comentário!