sexta-feira, 2 de maio de 2014

Preparando a futura horta e outras coisinhas.

 E assim amanheceu o dia seguinte, com a ex-flor branca completamente rosada.
 E também amanheceu com um delicioso café da manhã com bolo e... bolo! Só bolo porque o pão solou completamente! Um dia eu aprendo a fazer pão integral!
Após o desjejum e as atividades matinais básicas do dia a dia como alimentar a bicharada,  plantei três mudas de bananeiras que o caseiro do vizinho nos deu. Elas ficaram ao lado das bananeiras já existentes e que ficam bem encostadas na nova cerca, que pretendemos fechar com cercas vivas e outras folhagens para evitar que a cachorrada fique latindo nos vizinhos.
Em seguida chamei o Leonardo para limparmos o pátio dos fundos.
O pátio dos fundos vai da casa até o rio mas considero apenas até onde ficou a nova cerca. Da cerca até o rio é área de APP (área de preservação permanente) e não se pode mexer e nem pretendemos. O máximo que vamos fazer nesta área será plantio de árvores nativas. 
Lá embaixo está a cerca nova, ou melhor, está o murinho de concreto e os postes que aguardam pela tela para completar o cercamento. A área que fica entre a cerca e a casa é onde eu comecei a horta logo que adquirimos o Recanto. Esta área era bem limpinha e toda cercada até o dia em que umas abelhas resolveram se adonar da caixa da fossa que fica exatamente onde era a entrada para esta área. Desde que as abelhas ali se instalaram, há mais de ano, não conseguimos mais chegar nem perto da caixa da fossa e o mato cresceu muito. Custamos a encontrar alguém que removesse a colmeia sem matar as abelhas. A prática mais comum executada pelas redondezas quando aparece uma colmeia é a queima da colmeia com abelha e tudo. Leonardo e eu só matamos voluntariamente, mosquitos, pulgas e carrapatos e por conta disso levamos mais de um ano para encontrar o seu Léo, um apicultor de Maquiné mesmo, que salvou a gente e as abelhas.
Esta foto foi tirada em março, logo que o seu Léo tirou a colmeia da caixa da fossa, que ainda estava aberta na foto. Dá pra ter uma noção do matagal que virou a nossa antiga futura horta.
 Leonardo se embrenhou no mato e abriu uma picada para chegarmos até a cerca que os pedreiros haviam feito, dando uma baita volta para chegar lá embaixo.

 Agora esta facinho, facinho chegar na cerca e ver a casa por este ângulo, que não conseguíamos por causa do mato e das abelhas. Estas são as janelas da sala e a porta-balcão do quarto. 
A picada, o Leonardo havia aberto na última vez em que estivemos lá e agora, nós dois retiramos os galhos secos que ficaram da limpeza dele e demos continuidade a limpeza geral da futura horta.
 A horta terá que ser feita em degraus, pois está num declive.
 Leonardo tirou o grosso com o facão. A maioria do "mato" que cresceu era de vassouras, uma árvorezinha que as abelhas adoram e tiramos porque não estavam mais na floração. Acho que o auge da floração foi em março, começo de abril quando ouvíamos de "longe", as abelhas trabalhando.
 Eu até tentei ajudar com o facão mas percebi que rendia mais carregando para o descarte os galhos que o Leonardo ia cortando. Ele arrancou bem por cima, foi uma faxina bem grosseira mesmo. A próxima etapa é a faxina fina.
 Faxina fina eu fiz onde havia plantado os temperos há tempos atrás. Eu havia feito um canteirinho com manjericão, alecrim, tomilho, hortelã, erva cidreira e não lembro o que mais. Ao lado havia um canteiro com couves. Estes dois canteiros estavam bem próximo da cerca que tinha ali e apesar do mato crescido, eu conseguia usar o alecrim e a erva cidreira, que estavam bem altas. A erva cidreira o Leonardo arrancou sem querer quando tirou a cerca, mas já está brotando de volta, e o alecrim estava tomado por uma trepadeira e com flor! Eu nem sabia que alecrim dava flor! Santa ignorância, Batmam!
 Flor de alecrim.
 Leonardo encontrou várias garrafas de cachaça no meio mato. 
 A futura horta ficou assim, sem nenhuma verdura ou legumes, mas também quase sem mato!
E quando eu fui embora as obras dos canis ficaram assim. Só faltam os canis!!!

9 comentários:

  1. Que trabalheira! fiquei cansada só de ler... :))) Mas valeu a pena, uma horta em casa é tudo de bom. Já tivemos aqui mas meus joelhos falaram que esta atividade, para mim, é proibida...
    Felicidades!
    Um abraço!
    Egléa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois Egléa, aquele dia eu fiquei moída de cansaço! Não vejo a hora de preparar o primeiro canteiro! Bjinho!

      Excluir
  2. Ti querida, que lindo que está ficando tudo!!! Eu amo seus posts, sempre me fazem bem! Cheguei a sentir o cheirinho do alecrim daqui! :)
    Imagino esta horta cheia, vai ficar mará!
    Ti, desculpa o sumiço, estava meio insana por aqui, mas sempre leio seus posts!!!
    Beijossssssss e um lindo final de semana proceis
    Vero

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior Veronica! O cheirinho do alecrim ficou nas minhas luvas de trabalho por um bom tempo! Uma delícia!!! Não precisa se desculpar, blogs, postagens, visitas e comentários não devem ser obrigação e sim, muito prazer! Sei que tua vida é uma correria só e quando dá,tu dá um pulinho aqui. Nem esquenta. Bjinho!

      Excluir
  3. Ok, eu confesso minha covarde inveja (inveja, pra mim, é desejar ser como e não algo negativo em si, só esclarecendo hehehe) em não largar tudo e ir pro meio do mato. Amo estas postagens que me transportam para a Natureza, onde eu acho que devia estar. Ah...sim, alecrim dá flor e, seguidamente, um "insepto" faz uma espécie de baba espumosa nas flores ou entre as folhas...não se espante hehehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cris, o pedreiro acha que será a última semana de trabalho!!! O Leonardo ainda tem que terminar o gatil mas acredito que até o fim de maio a gente consiga estar morando lá. Assim que estivermos organizados, eu só te grito:"VEEEM!!!!" Daí tu vai nos visitar, tá?

      Excluir
  4. Oi Tiane,
    pelo o que vejo, trabalho é o que não falta por ai, um trabalho que vale a pena, ter uma horta vai ser muito bom, colher verduras e legumes assim na beirinha de casa, imagina que luxo!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Uau! Bem que você falou em mudanças, inclusive geográfica! ;)
    Adorei o blog, os peludos, as obras no seu novo lugar.
    Fazer (e comer!) pão é uma delícia! Logo logo você pega a prática e faz pães deliciosos!
    Assamos mais uma fornada ontem, pão integral com castanhas e sementes feito com fermento natural. Hum.... se Campinas fosse mais perto de Porto Alegre, compartilharia com você!
    bjos

    ResponderExcluir

Responderei aos comentários aqui mesmo ou se preferir, deixe seu e-mail para que eu possa entrar em contato. Obrigada pela visita e pelo comentário!