quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Um hóspede especial, uma adoção especial!

Domingo, dia 27 de julho, carro carregado para ir para o Recanto, antes de sair, resolvi levar uma comida para o cachorrinho do meu tio, que é meu vizinho. Na calçada havia um monte de galhos cortados das trepadeiras da casa da mãe no dia anterior e escondido no meio deste monte, um cachorrinho assustado parecia se esconder, ou se proteger. 
Conheço bem a cachorrada da rua e arredores, mas aquele linguiça eu nunca tinha visto e ofereci a comida do Black Jack para ver qual seria a sua reação. Ele não gostou muito da minha aproximação então, deixei o prato perto dele e me afastei. Não demorou para ele começar a comer com muita vontade. Neste momento, reforcei a suspeita de que se tratava de um cão perdido e já comecei a pensar o que eu deveria fazer.
Voltei para casa, preparei mais um pratinho e levei para o Black Jack, o cachorro do meu tio. Quando passei pelo linguiça, ele levantou e veio na minha direção, bem menos assustado e pensei. "ih...ferrou!" Levei a comida para o Black e na volta, sentei no meio-fio com o linguiça, que fedia muito e se acomodou bem ao meu lado para receber carinho. Minha cabeça já estava à milhão! O carro já estava pronto para a saída e junto iam 7 cães (Tombo, Costelinha, Sissi, Olívia, Pituca, Serelepe e Brigitte), não teria como levar mais um que não conheço direito e também não poderia deixar um desconhecido para a mãe e a dona Neusa cuidarem.
Chamei o Leonardo e apresentei o linguiça esperando um sinal qualquer e recebi o sinal positivo para dar um banho no fedido. Resumindo, acabamos deixando a Brigitte e levamos o linguiça, que recebeu do Leonardo o nome de Lango Lango. Ele ficou super quietinho no banho e se comportou muito bem na viagem, reforçando mais ainda a minha suspeita de se tratar de um cão perdido.
Apesar disso, não encontrei nenhuma anúncio de cão perdido com as características do Lango Lango e acabei publicando um anúncio dele para adoção. 
Não posso ficar com mais bichos, estou além do meu limite! Por sorte, no mesmo dia apareceram interessados nele. 
Ele estava super à vontade com a gente e com a cachorrada, só não gostou dos gatos. Mais um motivo para não ficar com ele e por atazanar tanto os bichanos, recebeu um segundo nome: Xaropinho.
Então chegou o outro domingo, dia 3 de agosto, e o Lango Lango Xaropinho, que recebeu do meu pai o apelido de Roda Baixa,  tomou outro banho para esperar seus novos donos. Eu estava feliz por ter conseguido uma adoção tão rápido, mas estava triste porque ele teria que passar por mais uma mudança, mais um stress, já que ele estava bem agarrado comigo.
O Lango Lango Xaropinho Roda Baixa, que eu também chamava de Linguiça, se mostrou um cão obediente, com um bom temperamento. Não gostava de ficar sozinho, chorando sempre quando eu saía da vista dele, e era um pouco taradinho, perseguindo o Costelinha e a Olívia de maneira incansável, mas fora isso, foi um hóspede encantador e tenho certeza que a Maria Helena e seu filho Iuri fizeram a escolha certa para o parceiro da cachorrinha deles, a Cléo.
Conheci a Maria Helena, do blog Enkantos da Lena, há mais de ano, neste maravilhoso mundão virtual, através de nossos blogs e depois, do Facebook, e viemos a nos conhecer pessoalmente de uma forma bem diferente do que eu imaginava, mas nem por isso, menos prazerosa, já que estávamos as duas interessadas no bem-estar do Linguiça Lango Lango Xaropinho Roda Baixa e agora, simplesmente, Tob, o companheiro da Cléo! Obrigada Maria Helena, Iuri e Cléo por receberem o Tob como um novo membro da família! E obrigada Leonardo, por me apoiar em mais um resgate e mais um final feliz!

3 comentários:

  1. Que final feliz para esse lindo linguicinha!!

    Você e Leonardo são mesmo pessoas mais que especiais pela acolhimento amoroso do cachorrinho...

    Conheço a Lena pelo blog...eu vi a adoção lá no Face e fiquei imensamente emocionada...ai que descobri seu Face...hehehe....

    Tenho certeza que Toby ganhou um lar que respeita os animaizinhos, terá muito amor e cuidados da queria Lena e família, então.... todos serão muito felizes!!!

    Querida amiga de coração grande, tenha um lindo dia!!

    beijinhos,

    Lígia e =^.^=

    ResponderExcluir
  2. Graças! O "ih, ferrou!" é bem típico de quem gosta de animais mesmo. Aqui é a cidade que mais vi cachorros de rua na minha vida! É algo assustador, ultrapassa qualquer imaginação. Gatos até que não vi muitos, mas infelizmente ontem vi um em uma situação que a gente detesta: atropelado. Eu estava voltando de minha caminhada, sem celular (com a violência que anda, não carrego muito, mas vi que vou precisar levar de novo) e lá estava o gato, lindo, meio adernado (pro lado). Ainda bem que já tinha gente da nossa tribo em volta, ligando para veterinária etc. Outra coisa que é muito saudável é a gente saber o nosso limite. Cada um tem o seu de acordo com a sua dinâmica e condição de vida. Acho um abuso quando as pessoas ficam forçando, só porque a gente gosta, adotar mais um, afinal, "é só mais um", mas não sabem que para ser uma boa adoção, temos que dar condições boas para todos. Senão vira aqueles acumuladores que atrolham cães e gatos, sem a mínima felicidade para os bichinhos, né?

    ResponderExcluir
  3. Muito, muito, muito legal!
    Um abraço!
    Egléa

    ResponderExcluir

Responderei aos comentários aqui mesmo ou se preferir, deixe seu e-mail para que eu possa entrar em contato. Obrigada pela visita e pelo comentário!